Ser um homem de estado é ser um historiador na ordem prática ação política e historicidade em J. G. Droysen - Sciences Po Access content directly
Journal Articles Revista de Teoria da História = Journal of Theory of History Year : 2019

Ser um homem de estado é ser um historiador na ordem prática ação política e historicidade em J. G. Droysen

Abstract

A tese defendida aqui será a seguinte: a reflexão de Droysen constitui uma configuração tópica para a modernidade política em geral, uma conjuntura durante a qual se trata de fazer das ciências históricas (metodicamente reguladas), e das culturas históricas produzidas publicamente, a “ciência real” de toda uma propedêutica política (embora não exclusivamente política). Trata-se doravante, durante esse momento singular, de argumentar a necessidade de fundar uma nova cultura política, a saber: a de um racionalismo político liberal e prudencial, porquanto auto-historicizante e autorreflexivo.
Fichier principal
Vignette du fichier
2019-escudier-ser-um-homem-de-estado-e-ser-um-historiador-na-ordem-pra%CC%81tica-ac%CC%A7a%CC%83o-poli%CC%81tica-e-historicidade-em-j.-g.-droysen.pdf (390.81 Ko) Télécharger le fichier
Origin : Publisher files allowed on an open archive

Dates and versions

hal-03457765 , version 1 (30-11-2021)

Identifiers

Cite

Alexandre Escudier. Ser um homem de estado é ser um historiador na ordem prática ação política e historicidade em J. G. Droysen. Revista de Teoria da História = Journal of Theory of History, 2019, 21 (1), pp.32 - 48. ⟨hal-03457765⟩
30 View
15 Download

Share

Gmail Facebook X LinkedIn More